<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d1683737356227611907\x26blogName\x3drulote\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://rulote.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://rulote.blogspot.com/\x26vt\x3d-1687760607276517664', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ 26.1.10

Ontem, no metro

«Ontem, no metro, acabei uma peça de Ibsen. O final, segundo me recordo, é o seguinte: após a partida do filho com a amante, o pai louco e a tia doente passeiam pela neve. O pai morre. Aparece a mãe, e troca umas palavras com a tia - sua irmã -, que não deixem dúvidas no espectador quanto à evolução positiva da personagem, desde o início ao final da peça. A tia está radiante, ao perceber que a irmã aprendeu com o seu triste fado, e deixou de ser a mulher dura e fria que sempre fora. Abraçam-se. Escuridão. Parece que acabou, mas ainda não; do céu surge uma luz intensa. A batida começa, vinda do telemóvel da rapariga sentada à minha frente. As irmãs gémeas dançam um kizomba final, naquele bosque norueguês coberto de neve.» - Tio Vânia, o blogue.

0 Comments:

Enviar um comentário

<< Home