<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d1683737356227611907\x26blogName\x3drulote\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://rulote.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://rulote.blogspot.com/\x26vt\x3d-1687760607276517664', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ 29.8.10

Kremšnita

De todos os países onde nada se passa, a Eslovénia é talvez o meu preferido. Com cerca de um quinto da área de Portugal, a Eslovénia alberga, preguiçosamente, apenas um exemplar de cada elemento: uma grande montanha (Triglav), uma cidade semi-cosmopolita (Ljubljana), uma praia (o que sobra da costa da Croácia), um intelectual famoso (Žižek) e um jogador de futebol (Zlatko Zahovič). Mesmo para um país jovem, esta não será uma lista que impressione por aí além, mas alto e pára o baile, que as contas fazem-se no fim e ainda agora começámos. Enquanto muitos dos idiomas indo-europeus preservaram pelo menos três formas para o género (normalmente juntando o neutro ao feminino e masculino), quase nenhum utiliza, actualmente, mais do que duas flexões gramaticais para o número. Regra geral, nas línguas vivas, estamos confinados ao plural e ao singular. O esloveno, contudo, é um dos poucos idiomas que tem três formas para o número, pois para além do singular e do plural, existe o dual (como no grego antigo, julgo eu). Estas duas últimas distinguem-se uma da outra porque enquanto o plural se utiliza para um grupo alargado de objectos ou pessoas (pelo menos três, e todos sabemos que três pessoas é quase sempre uma multidão), o dual fica reservado apenas para dois objectos ou duas pessoas. O esloveno oferece-nos assim, sem artifícios, uma ferramenta gramatical capaz de separar, com clareza, o que se refere ao par (sublinhando, consoante o contexto, a escassez ou a intimidade) daquilo que é característica de muitos (dando ênfase à abundância ou à dispersão). Isto não é útil? Claro que é útil. Numa época em que se glorifica a simplificação da gramática para estimular e facilitar a comunicação entre as pessoas tão atarefadas do nosso século, o esloveno mostra-nos que, por vezes, dotar a linguagem de alguma complexidade pode facilitar-nos a vida. A vida difícil, em grupo ou a dois.

2 Comments:

Blogger Rita Maria said...

O checo também tinha um dual, mas só para partes do corpo que costumem vir aos pares (embora suponha que erros poéticos com entes queridos sejam permitidos, se tiveres provado a solidez dos teus conhecimentos gramaticais noutras ocasioes). Mas o melhor de tudo era o facto de as coisas mudarem de caso gramatical a partir do cinco. Se eu pedir 4 laranjas, estao no acusativo, de cinco para cima no genitivo.

30 de agosto de 2010 às 09:00  
Anonymous gaf said...

Bem visto. Parece que o dual existia em todas as línguas eslavas e, não tenho a certeza, mas o bielorusso também o mantém.

3 de setembro de 2010 às 16:45  

Enviar um comentário

<< Home