<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d1683737356227611907\x26blogName\x3drulote\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://rulote.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://rulote.blogspot.com/\x26vt\x3d-1687760607276517664', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ 23.9.10

Chamam a isso

Aprendi isto num livro da Agustina Bessa-Luís mas a frase é do Musil: «Há pessoas que negam os factos e chamam a isso pensar». Trata-se de um aforismo muito útil, podendo ser utilizado em diversos contextos e com qualquer estilo de roupa, embora seja inegável que um cachecol e uma poltrona conferem, neste e noutros casos, uma maior nobreza ao pensamento. A formulação inicial («há pessoas») tem ainda a vantagem de excluir quem profere a frase (e, com o tom certo, talvez também quem a ouve) do grupo de senhores e senhoras que o Musil pretende alfinetar. E, meus amigos, todos nós sabemos quem são essas pessoas (apesar de não serem as mesmas pessoas para todos nós).

2 Comments:

Blogger Menina Limão said...

Este post lembra-me o dos totós. Ou toinos. Ou lá o que era.

24 de setembro de 2010 às 00:25  
Anonymous Loparic said...

Eu ia dizer que também há pessoas que constatam fatos e que nem por isso fica bem dizer que pensam. Mas vou apenas concordar dizendo que há outras pessoas que negam os fatos e não chamam a isso de Teorema da incompletude ou assim (e que essas nem sempre sabemos quem são). Não sei o que é pior.

24 de setembro de 2010 às 00:52  

Enviar um comentário

<< Home