<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d1683737356227611907\x26blogName\x3drulote\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://rulote.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://rulote.blogspot.com/\x26vt\x3d-1687760607276517664', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ 27.10.10

Not nit not

A palavra génio deve ser usada com parcimónia. Robert Wyatt é um génio. E, note-se, um génio que sobreviveu, com impecável destreza, a uma queda de um terceiro andar e a anos de convívio com alguns terroristas do rock progressivo. Mesmo incorporando nas suas músicas um punhado de versos que o jornal «Avante!» não desdenharia acarinhar, fosse o inglês a língua de outro império, Robert Wyatt nunca carloscarvalhizou o seu discurso musical. Juro que isto me deixa meio zonzo de espanto.  Como se não bastasse, o vídeo para onde este link vos empurra é bem capaz de ser o verdadeiro coração da internet. Gosto imenso de canções de amor em que nem metade da letra se percebe. Não sei, sinto-as mais próximas da realidade.

0 Comments:

Enviar um comentário

<< Home