<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d1683737356227611907\x26blogName\x3drulote\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://rulote.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://rulote.blogspot.com/\x26vt\x3d-1687760607276517664', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ 20.5.11

Afrikaans

Em africânder, Helder Reis significa Viagem Clara. Parece mentira mas trata-se da mais pura e bizarra das verdades. O que mais me espanta não é tanto o improvável tom poético que os Hélder Reis desta terra transportam disfarçadamente no seu nome (Viagem Clara poderia ser, aliás, o título de um livro de Eugénio de Andrade ou de um programa on the road de Paula Moura Pinheiro), mas que Fernando Pessoa, tendo passado uma parte significativa da infância e adolescência na África do Sul, e a vida quase toda a desmultiplicar-se em heterónimos, não se tenha lembrado de escrever um único verso assinado por Hélder Reis. Parece-me que há aqui um filão de possibilidades por explorar. Fosse este blogue O Ouriquense e julgo que estariam reunidas todas as condições para o arranque de uma série de grande sucesso intitulada: «Hélder Reis, o heterónimo perdido de Fernando Pessoa». Não sendo, não estão.

0 Comments:

Enviar um comentário

<< Home