<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d1683737356227611907\x26blogName\x3drulote\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://rulote.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://rulote.blogspot.com/\x26vt\x3d-1687760607276517664', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ 18.6.11

Caps Lock

«Escapa-me como é que pudemos ter lido Os Maias (..) sem perdermos um segundo a perceber porque é que algumas daquelas passagens são mesmo grande literatura, sem as lermos em voz alta, porque para aprender a gostar de literatura, é preciso ler em voz alta.»

Isto é um excerto de um artigo do Pedro Lomba, no Público da passada quinta-feira, que eu, tal como vocês, li muito caladinho enquanto bebia o café da manhã. Parece-me indiscutível que o ensino da literatura (bem como da ciência, das línguas estrangeiras, das artes e do desporto, embora ninguém se preocupe realmente com esta última dimensão da aprendizagem) está repleto de deficiências e de imperfeições de tal ordem que chega a ser surpreendente - e maravilhoso - que alguém sobreviva à escolaridade obrigatória com genuína vontade de ler, pensar e correr. Também não tenho nada contra a ideia de substituir, nas salas de aula deste magnífico país em construção, a maior parte das curvas e contracurvas da análise de texto pela simples leitura de passagens breves, capítulos, ou até de obras integrais de autores de preferência mortos (não estou a exagerar no leque de possibilidades: aos 11 anos fui aluno de uma professora que, durante todo o período lectivo, usou muito bem a primeira parte das aulas de duas horas para nos ler, aos pedaços, um livro inteiro, perante o nosso ora atento ora distraído semi-silêncio). Mas, e aqui é que a porca torce o rabo, hei-de sempre combater, com todas as minhas forças (descansem, não são muitas), esta doutrina pomposa de que «para aprender a gostar de literatura, é preciso ler em voz alta.» Haverá, certamente, quem se tenha aproximado da literatura, com empolgamento e fascínio, por ter lido ou ouvido alguém ler em voz alta (apesar de eu não conhecer nenhum caso), mas o mais provável é que esse gosto tenha nascido por contágio, de maneiras mais subtis e silenciosas. Embora não tenha grandes certezas neste assunto, apostaria sem nenhuma reserva, com o Pedro Lomba e demais seguidores fundamentalistas da corrente João Villaret da pedagogia, que não é preciso - não é mesmo - ler em voz alta, para aprender a gostar de literatura.

0 Comments:

Enviar um comentário

<< Home