<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d1683737356227611907\x26blogName\x3drulote\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://rulote.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://rulote.blogspot.com/\x26vt\x3d-1687760607276517664', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ 24.3.12

Carácter (2)

Ainda procurei aqui uma falha, mas a verdade é que concordo com tudo:

Apareceu há dias a ideia velha de que autores misóginos como Philip Larkin, que fora mencionado, não valiam a pena ser lidos. A ideia é aliás tão velha que cheira a mofo, mas é repetida por gente nova e espevitada que acredita que o carácter do autor tem de contar para a sua obra. Na verdade, não querem ler um bom livro: querem um 'amigo' que parece ouvir e não fala. Há muita gente assim. O resultado desta barbaridade está à vista, com escritores medíocres a perceber que se safam por declararem publicamente o seu amor pelas mulheres, pelos animais, pelos bebés de colo; pela humanidade, com os seus carrascos incluídos. Assim, sim, merece ser lido... por gente nova e espevitada que não merece ler Aristóteles, Tácito, Larkin, Joyce, Nietzsche, etc. 

- Carla Quevedo, uma Bomba Inteligente.

5 Comments:

Blogger António said...

Nada nem ninguém nos devia impedir de devorar páginas escritas por filhos da mãe, psicopatas, proxenetas e génios alucinados, apaixonarmo-nos por essas páginas e odiarmos os pulhas que as escreveram. O problema é que para além do que escreve a Carla há outra questãozinha - há muito boa gente que branqueia a filha da putice desses génios porque a paixão pelas letras deles lhes fulmina a razão. Não tem falhas, mas faltou esta outra vertente da coisa. Ou não, sou só eu que sou um bocadinho para o chato.

2 de abril de 2012 às 22:54  
Blogger Daniel said...

Bem visto. Faltava, de facto, essa adenda.

2 de abril de 2012 às 23:27  
Blogger António said...

Resta também a outra hipótese, de eu ser um bocadinho chato.

3 de abril de 2012 às 15:09  
Blogger Charlotte said...

Concordo com o António, que não me parece nada chato. Não no comentário que faz, pelo menos. Ler é uma coisa, até apreciar, enfim. Branquear é outra bem diferente.

6 de abril de 2012 às 10:40  
Blogger António said...

Fez bem em restringir "não me parece nada chato" à emissão de comentários. Um tipo escondido por trás dos seus comentários pode parecer o tipo mais interessante do mundo. E depois, vai-se a ver e é o Vítor Gaspar que anda aqui a armar-se aos cucos. Um Páscoa divertida e nada Santa, que isso das santidades é para o vitinho.

6 de abril de 2012 às 14:40  

Enviar um comentário

<< Home