<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d1683737356227611907\x26blogName\x3drulote\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://rulote.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://rulote.blogspot.com/\x26vt\x3d-1687760607276517664', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ 12.4.12

Crónica póstuma do retornado

Durante os primeiros meses, após o meu regresso à pátria, depois de alguns anos de vida no estrangeiro sem enviar divisas, eu deambulava frequentemente pelas ruas do Porto, só para ouvir homens e mulheres a falar português com a boca toda, e olhar os prédios, um por um, até colar as ruas à minha memória em desordem. Numa dessas rotas contemplativas, apercebi-me de um edifício recuperado, perto do Palácio da Bolsa, que eu não conhecia com aquela fachada tão limpa. Como a porta estava aberta e ninguém me impediu a ousadia, subi as escadas em câmara lenta, pois era assim que eu me movia nessa altura, enquanto reaprendia aos poucos a ser português (quatro sandes de panado depois, a reconversão total seria concluída). No primeiro piso, luminoso e de um admirável pé direito, para além das paredes quase nuas, havia uma pequena mesa e uma cadeira onde estava sentada uma rapariga bem bonita, quase adormecida naquele silêncio. À minha chegada, ela sobressaltou-se ligeiramente mas, logo em seguida, fez um movimento com a cabeça, anunciando, sem equívocos, que estaria mais do que pronta para as minhas perguntas. Eu só tinha uma (o que raio é isto?), apesar de ter feito outra. Com sotaque, a rapariga explicou-me que o edifício escondia um auditório e algumas salas equipadas para receber exposições. Na verdade - disse-me ela – nessa mesma semana decorria uma exposição que eu poderia visitar, caso fosse essa a minha vontade de cidadão visivelmente deslumbrado. Depois fez uma pausa e arrancou a seguinte pérola: “trata-se de belas artes.” Não sei se esta expressão tem o mesmo efeito em toda a gente mas eu acho-a irresistivelmente cómica. Logo na altura, não consegui reprimir um sorriso genuíno, embora ainda estivesse longe de perceber a utilidade daquelas palavrinhas. E, meus amigos, como elas são úteis! Agora, quando regresso de exposições, filmes ou concertos de que não gostei ou sobre os quais não me apetece falar, e me perguntam “que tal, Daniel?”, eu encolho os ombros e engatilho logo: “trata-se de belas artes”. Como se não bastasse, a abrangência da expressão é colossal, uma vez que ela também funciona às mil maravilhas para resumir alguns artigos de jornal e algumas doses de polvo à lagareiro em certos e limpíssimos restaurantes.

0 Comments:

Enviar um comentário

<< Home