<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d1683737356227611907\x26blogName\x3drulote\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://rulote.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://rulote.blogspot.com/\x26vt\x3d-1687760607276517664', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ 4.9.12

Literatura de poucas viagens

Há uns dias, ao folhear o jornal, descobri que um dos livros que li nas férias ("Gosto disto aqui" de Kingsley Amis) acaba de ser reeditado pela Quetzal. É tão raro encontrar-me sincronizado com o movimento editorial português que sinto que não posso desperdiçar esta oportunidade de avançar na crista da onda com o meu comentário. Tal como outros notaram, também eu reparei que "Gosto disto aqui" não é um grande livro, mas quem me dera que todos os livros falhados fossem assim tão bons. Embora a história seja pouco aprimorada e carregue um grama quase irrelevante de mistério, há  incontáveis parágrafos de boas embirrações com isto e aquilo, quase todas pela voz de Bowen, uma personagem forçada pelas circunstâncias a abandonar Inglaterra e a relutantemente passar a maior parte do romance em Portugal, nos anos 50, durante a ditadura de Manuel Loff. Apesar de nem sempre os tiros de Amis serem certeiros, sobrevivem algumas observações sobre a nossa pátria que me fizeram rir (a minha forma preferida de acomodar uma ideia).  Esta em especial, na pág. 158 da edição da Cotovia:

"Toda aquela geografia e biologia, que faziam as pessoas comportar-se como se tivessem inventado o país em vez de viverem apenas nele."

O José Gil não fala assim.

2 Comments:

Blogger António said...

Esse pequeno trecho quase que já vale o livro, digo eu.

Nunca li nada do Kingsley Amis, mas gostei muito de
alguns do filhote, o Martin, mais do que todos do "Money". O pai terá algo a ver com o filho?

7 de setembro de 2012 às 11:15  
Blogger Daniel said...

Tenho dificuldade em fazer a comparação, porque este foi o primeiro livro do Kingsley Amis que li (embora tenha cá o "Lucky Jim" à espera). Mas por muito que procurem afastar-se, os filhos trazem sempre alguma coisa dos pais (para o bem e para o mal e para o assim-assim).

17 de setembro de 2012 às 22:54  

Enviar um comentário

<< Home