<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d1683737356227611907\x26blogName\x3drulote\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://rulote.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://rulote.blogspot.com/\x26vt\x3d-1687760607276517664', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ 25.4.13

Era uma vez

Enquanto eu, esganado de fome de classe-média, comia uma tosta mista e bebia um café absolutamente necessário, duas raparigas conversavam aos gritos na mesa do lado. Quando a conversa serpenteava por assuntos mais privados, elas baixavam um pouco, quase nada, o tom de voz, deslocando-se assim, com algum desconforto, para um patamar de um ainda ténue recato mas já visivelmente estrangeiro à natureza delas. Ou seja, ouvi tudo. Como não sou a wikileaks do povo, seleccionei apenas alguns excertos irrelevantes da conversa, incluindo porém, no resumo, e em jeito de rebuçado, uma tradução desses fragmentos, elaborada por mim, em espectacular simultâneo com o decorrer dos factos:

(...) e como tu tens um temperamento ligeiramente obsessivo (...)

(meu deus, como tu és obsessiva! oh, como são grandes e violentas as tuas obsessões!);

(...) sim, eu percebo, também já passei por isso (...)

(cala-te um bocadinho agora que é para eu te contar a minha história);

(...) pois, claro, hmm, hmm, (...)

(não estou a ouvir nada do que dizes mas, por enquanto, ainda não adormeci);

(...) achas que fui imprudente? não, eu também já passei por isso (...)

(valha-me deus, cala-te lá e deixa-me contar a minha história).


E assim foi. Depois da primeira, veio a segunda história. Passaram-se dias e anos, naqueles minutos, com os príncipes suburbanos a fugir das princesas suburbanas e as princesas suburbanas a fugir dos príncipes suburbanos, num rocambolesco carnaval de desencontros. Mas quando elas se calaram por fim e, pegando nas malinhas com cores de verão, abandonaram o café, eu olhei para a mesa vazia, para aquele silêncio tão bonito, e vivi feliz para sempre.

6 Comments:

Blogger Menina Limão said...

:)

Não sei porquê, imaginei toda essa cena na Leitaria Quinta do Paço.

25 de abril de 2013 às 21:57  
Blogger António said...

Acabei de ler. Vou ler outra vez. Que pequena maravilha.

26 de abril de 2013 às 14:23  
Blogger Daniel said...

Frio, Menina Limão.

26 de abril de 2013 às 23:18  
Blogger Unknown said...

Ó pá, eu gostei disto. Não tenho mais nada a dizer.
m. de v.
(resposta do teu blogue quando tento assinar: "you do not own that identity". Não sei se isto é literal)

27 de abril de 2013 às 01:10  
Blogger Daniel said...

Pode não ser a forma mais elegante de receber as pessoas (juro que não tenho culpa, m. de v.), mas há que reconhecer que "you do not own that identity" é uma grande frase.

27 de abril de 2013 às 15:04  
Blogger Unknown said...

Indeed.

27 de abril de 2013 às 17:56  

Enviar um comentário

<< Home