<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d1683737356227611907\x26blogName\x3drulote\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://rulote.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://rulote.blogspot.com/\x26vt\x3d-1687760607276517664', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

≡≡≡≡≡≡≡≡≡≡ 30.9.13

Uma nota fora de estação

Isto é mais certo que todas as certezas. Pelo menos em Portugal, não há ninguém que não conheça um daqueles cidadãos recenseados que, aos primeiros sinais de Verão, aponta logo o carro para o mar e só descansa a alma confusa quando os dez dedos dos pés se enterram na areia. E toda a gente é quase amigo de pelo menos uma rapariga que vive para os dias de sol, transportando, sem falhas, na sua bolsa infinita, um biquíni mais rápido que a própria sombra, mais pequeno que qualquer sombra. Mas mesmo esses soldados do Verão, se forem justos ou muito coagidos, terão de admitir que ir à praia fica sempre aquém daquela alegria do corpo a que, por falta de jeito, chamamos vir da praia. Não que ir à praia seja propriamente uma longa espera pela sobremesa do regresso. Nada disso. Mas digam-me lá se existe outra leveza maior do que aquela que experimenta quem volta a casa, de vidro aberto, com o sal do mar nos cabelos, depois de uma grande tareia de vinte ondas. Pensem nisso, pois a chuva agora ajuda o pensamento.

2 Comments:

Blogger Unknown said...

"(...) ir à praia fica sempre aquém daquela alegria do corpo a que, por falta de jeito, chamamos vir da praia". Isto é uma evidência tão ignorada e tão indiscutível que é estranho que até agora ninguém a tivesse reduzido a escrito, fazendo-a sair dos subterrâneos do inconsciente onde vive escondida desde que se inventou o fato-de-banho.
morgada de v.

3 de outubro de 2013 às 00:31  
Blogger Daniel said...

Não vale fazer comentários melhores do que os posts.

3 de outubro de 2013 às 11:54  

Enviar um comentário

<< Home